Feugiat nulla facilisis at vero eros et curt accumsan et iusto odio dignissim qui blandit praesent luptatum zzril.
+ (123) 1800-453-1546

Blog

Home  /  Notícias   /  Inseminação intrauterina ou FIV? Qual a diferença?

Inseminação intrauterina ou FIV? Qual a diferença?

Para muitos casais que enfrentam dificuldades para engravidar, a reprodução assistida pode ser uma solução para realizar o sonho de ter um filho. A escolha sobre qual o método mais indicado depende de uma série de fatores, como as causas da infertilidade, idade da mulher, tentativas anteriores de tratamentos, entre outros.

Entre os tratamentos disponíveis, destacam-se a inseminação intrauterina e a  fertilização in vitro (FIV). Embora algumas pessoas pensem que se trata da mesma técnica, eles diferem entre si pela maneira como são realizados, quando são indicados e taxas de sucesso.

O que é a fertilização in vitro (FIV)?

A fertilização in vitro é um método de reprodução assistida de alta complexidade indicado para os seguintes casos:

  • Alteração seminal grave;
  • Mulheres com idade acima de 35 anos;
  • Obstrução das tubas uterinas;
  • Mulheres que fizeram laqueadura;
  • Homens que fizeram vasectomia;
  • Endometriose grave;
  • Menopausa precoce;
  • Perda gestacional recorrente;
  • Pacientes sem útero;
  • Casais homoafetivos masculinos (por meio do útero de substituição);
  • Falha em tratamentos anteriores de reprodução assistida.

Como é feita a fertilização in vitro

O tratamento é realizado em algumas etapas. No primeiro passo, a mulher receberá medicações hormonais para estimular o crescimento de um maior número de folículos (estruturas que abrigam os óvulos). Essas medicações são aplicadas durante cerca de 10 dias.

Nesse período, exames de sangue e ultrassonografias são realizados para acompanhar o crescimento dos folículos. Quando eles atingem o tamanho ideal, a mulher recebe uma outra medicação, também hormonal, que estimulará o amadurecimentos dos óvulos. Cerca de 36 horas depois, eles são coletados.

A coleta é feita por meio de uma punção, via vaginal, com a paciente sedada. Os óvulos são aspirados por uma agulha e encaminhados ao laboratório de embriologia para que seja avaliada sua qualidade.

O passo seguinte é a fecundação, que ocorre em laboratório depois que o sêmen do parceiro ou de um doador foi coletado e também avaliado. Depois de fertilizado, o embrião permanece alguns dias em estufa até que esteja pronto para ser implantado na cavidade uterina.

Após 15 dias é realizado um exame de gravidez para saber se o procedimento deu resultado ou não.

O que é a inseminação intrauterina?

A inseminação intrauterina é um procedimento mais simples do que a fertilização in vitro. É indicada principalmente para os seguintes casos:

  • Infertilidade sem causa aparente em pacientes jovens;
  • Alterações leves no sêmen ou na contagem de espermatozoides;
  • Alterações leves na ovulação;
  • Endometriose leve;
  • Casais homoafetivos femininos;
  • Mulheres que desejam ser mãe solo.

Como é feita a inseminação intrauterina

Assim como acontece na fertilização in vitro, na inseminação intrauterina a mulher também recebe medicações hormonais, porém em doses menores, para estimular o crescimento de um maior número de folículos. Mas a etapa da fecundação não ocorre em laboratório.

Nesta técnica, o sêmen é depositado diretamente na cavidade uterina, por meio de uma cânula fina, para que encontre o óvulo e o fecunde. Depois que o sêmen do parceiro é coletado e capacitado, apenas a amostra seminal com maior qualidade é separada e depositada diretamente no interior do útero para que ocorra a fecundação.

Depois de cerca de 15 dias, deve-se realizar o teste de gravidez.

Quais as taxas de sucesso?

As taxas de sucesso em cada tentativa da fertilização in vitro é de aproximadamente 35 a 60%% – estima-se que, com a FIV, as chances de gravidez sejam cerca de três vezes maiores do que com a inseminação intrauterina. Neste técnica, a taxa geral de nascimentos varia de 13% a 23%.

Vantagens e desvantagens

Como dito anteriormente, cada técnica tem suas indicações específicas após avaliação detalhada do casal, do homem ou da mulher. Porém, pode-se pontuar algumas vantagens em cada uma delas.

A fertilização in vitro, por exemplo, proporciona melhores resultados para mulheres com mais de 35 anos e casais com tempo de infertilidade superior a três anos.

Além disso, a técnica permite congelar os embriões que não foram transferidos ao útero e que podem ser usados caso o tratamento não tenha sucesso ou quando se desejar uma nova gravidez. Com isso, não é necessário repetir todo o tratamento novamente.

Já a inseminação intrauterina tem a vantagem de ser um procedimento mais simples, que pode ser realizado no consultório, sem anestesia. Porém, é indicado apenas para casos menos complexos de infertilidade.

Para escolher o tratamento ideal, é indicado procurar uma clínica especializada em reprodução assistida. Só um profissional capacitado pode solicitar e avaliar os exames necessários e assim recomendar a melhor opção de tratamento.

O Cenafert é referência em reprodução assistida em Salvador e região. Contamos com uma equipe multidisciplinar formada por ginecologistas, especialistas em medicina reprodutiva, psicóloga, anestesista, andrologista, embriologistas, biomédicas, enfermeiras e toda equipe de atendimento e administrativa pronta para receber você.

Sem Comentários
Postar um Comentário
Nome
E-mail
Site