Feugiat nulla facilisis at vero eros et curt accumsan et iusto odio dignissim qui blandit praesent luptatum zzril.
+ (123) 1800-453-1546

Blog

Home  /  Notícias   /  O que é indução da ovulação e qual seu papel na reprodução assistida?

O que é indução da ovulação e qual seu papel na reprodução assistida?

A ovulação normal ocorre quando um óvulo maduro é liberado por um folículo ovariano para que ele seja fecundado. Nos ciclos regulares, a ovulação ocorre aproximadamente entre o 11° e 14° dia do ciclo, a depender do intervalo entre as menstruações (de 21 a 35 dias são considerados normais). Se a fecundação não ocorrer, o óvulo maduro é eliminado e o endométrio descama originando a menstruação.

Quando os ciclos menstruais ocorrem a intervalos superiores a 35 dias, é considerado irregular e, nesses casos, a ovulação não é previsível. A condição onde a ovulação ocorre de forma irregular e com pouca frequência é chamada oligovulação e naquela situação onde a ovulação nunca ocorre, caracteriza-se uma anovulação. Distúrbios ovulatórios afetam a fertilidade e, para aumentar as chances de uma gestação, seja natural ou por métodos de reprodução assistida, é possível realizar um procedimento chamado indução da ovulação.

O que é indução da ovulação?

A indução da ovulação é um procedimento no qual são administrados medicamentos na mulher para estimular a ovulação naquelas que têm ciclos irregulares ou ausentes.

O objetivo da indução da ovulação é aumentar as chances de uma mulher conceber um filho, seja por meio de relações sexuais ou por meio de técnicas de reprodução assistida, como a inseminação intruterina.

Contudo, a indução não é garantia de gestação.

O que pode causar dificuldades ou ausência de ovulação?

Várias são as causas que podem estar relacionadas às disfunções ovarianas. Dentre elas, pode-se citar:

· Síndrome dos ovários policísticos;

· Baixa produção dos hormônios luteinizante (LH) e folículo-estimulante (FSH) pela glândula hipófise;

· Ovários que não respondem ao LH e ao FSH;

· Doenças da tireoide;

· Alto nível do hormônio prolactina (hiperprolactinemia);

· Obesidade;

· Transtornos alimentares ou perda extrema de peso;

· Excesso de exercícios.

Medicamentos usados para indução da ovulação

As medicações utilizadas têm o objetivo de regular os hormônios para aumentar as chances de ovulação. Alguns dos medicamentos mais usados, de uso oral ou injetável, são:

· Citrato de clomifeno;

· Inibidores da aromatase;

· Agentes sensibilizadores de insulina;

· Gonadotrofinas ( FSH recombinante).

O tipo de medicação e a posologia estão relacionados às características e condições da mulher, como idade, níveis hormonais, reserva ovariana, entre outros fatores que são avaliados individualmente.

Para quem a indução da ovulação é indicada?

A indução da ovulação é um procedimento que pode trazer bons resultados quando o homem possui um sêmen de boa qualidade e a mulher possui as tubas uterinas normais.

Principais indicações:

· Mulheres com infertilidade sem causa aparente;

· Mulheres que não estão ovulando ou ovulam irregularmente;

· Mulheres com ciclos longos, irregulares ou pouco frequentes;

· Mulheres diagnosticadas com síndrome dos ovários policísticos.

O tratamento de indução da ovulação não é recomendado para:

· Mulheres acima de 35 anos;

· Mulheres com obstrução tubária ou lesão tubária grave;

· Mulheres com endometriose grave;

· Casais com baixa contagem de espermatozoides ou baixa motilidade/morfologia espermática.

Como funciona a indução da ovulação?

Os medicamentos são normalmente prescritos durante a primeira semana do ciclo menstrual e por um período de 10 a 12 dias. Em seguida, o médico monitora, por meio de exames de sangue e de imagem, a cada três dias, a resposta dos ovários à medicação. Quando os folículos (estruturas que abrigam os óvulos) atingem cerca de 18 mm (e são considerados maduros), a paciente recebe uma dose do hormônio gonadotrofina coriônica humana (hCG), utilizado para induzir a ovulação nas próximas 36 a 40 horas.

Nesta fase, é indicado que o casal intensifique as relações sexuais, no caso do coito programado, ou o preparo do sêmen, para aqueles que vão se submeter ao tratamento de inseminação intrauterina.

Nessas técnicas de baixa complexidade, a estimulação precisa muito controlada para evitar gestações múltiplas e outras complicações. O objetivo, tanto na inseminação intrauterina quanto no coito programado, é obter no máximo três folículos dominantes.

Indução da ovulação na reprodução assistida

A indução da ovulação é uma das principais etapas de um tratamento de reprodução assistida, seja ele de baixa ou alta complexidade. Ela faz parte de tratamentos como coito programado, inseminação intrauterina e fertilização in vitro, e também no congelamento de óvulos.

Riscos da indução da ovulação

Os medicamentos utilizados para induzir a ovulação devem ser prescritos e usados com acompanhamento médico, pois podem causar efeitos colaterais. Algumas mulheres podem experimentar uma resposta excessiva dos ovários aos medicamentos de fertilidade, levando à chamada síndrome da hiperestimulação ovariana (SHO). Os sintomas incluem desconforto intenso, náuseas, vômitos, distensão abdominal e desidratação.

Além disso, podem surgir:

· Dores abdominais e nos seios;

· Alterações de humor;

· Inchaço pélvico;

· Dor de cabeça;

· Náuseas e vômitos;

· Alterações visuais;

· Ganho de peso temporário.

A indução também pode aumentar o risco de gestação múltipla.

Se você deseja saber mais sobre indução da ovulação e tratamentos de reprodução assistida, entre em contato com o Cenafert.

Sem Comentários
Postar um Comentário
Nome
E-mail
Site